quinta-feira, 13 de novembro de 2008



*Photo: Keith Levit


Flores

Eu lhe disse que não gosto de ganhar flores. Porque elas são frágeis. Elas me lembram que a fragilidade existe e que mora, antes de na pétala fina e tenra, em mim. Sinto pena de as coitadinhas, simplesmente nascidas e existentes, serem arrancadas para você mostrar que me gosta. É que quase toda mulher gosta de flores, mas eu fiquei entre ‘quase’ e ‘toda’, num espaço certeiro, onde só pode morar um senão. E elas ficam tão bem, sob o sol e chuva então, deixe que elas fiquem. São fortes: só por isso merecem ficar. Entendi que você me gosta, mas foi num olhar dia desses, durante uma de nossas longas conversas. Vou te confiar um segredo, se é que minha visão sobre as lindas flores já não o delatou. Eu, eu preciso de proteção, embora não pareça. Mas não sei pedir se não for através de um olhar altivo, um ar confiante. É que às vezes eu sou. Mas não é sempre.
Um dia aprendo simplesmente a sentir (porque as flores trouxeram consigo a mensagem, a lembrança). Mas enquanto não, eu, coração na boca e travestida de semblante austero, fico aqui, refletindo sobre flores de aparência frágil, mas resistentes a tempestades. Olho-as com estranheza e certa inveja da sua falta de afetação. Me reconheço em seu avesso, fortaleza revestindo o tênue. Insisto nesse gris encobrindo de segurança questionável minhas cores e pétalas pequeninas.
Perdoe-me pelo não agradecimento direto, pela aparente falta de modos. É disfarce da fragilidade.
É que eu sou, antes de mais nada, uma flor ao contrário.


5 comentários:

J.F. de Souza disse...

Por um momento, me pareceu que eu já havia lido este...

Mas, seja como for... TÁ LINDO, LUZZZZZZZZZZZZZZZZZZZZSH!!! =)

Octavio Roggiero Neto disse...

ei, fina flor, colho Poesia muito perfumada deste seu escrito! que seu amor conheça Neruda e tenha em mente que deve fazer com você o que a primavera faz com as cerejeiras!

bom final de semana!

Juliana Pestana disse...

Querida, eu adorei!!

E posso dizer que poderiam ser minhas muitas de suas palavras.

Obrigada por escrever por todos nós.

Feliz ano novo. Amor novo. Vida nova.

Bjos meus, cheios de flores.
^.^

Kely Cristina S. Felício disse...

Que bonito, acho que toda pessoa quer ser amada em sua condição de pétala: fina, frágil, bela sobretudo. Ainda que finjamos ser troncos centenários de jatobás... bjs

Luciana Freitas disse...

"É que eu sou, antes de mais nada, uma flor ao contrário."

meu Deus, somos realmente criaturas frágeis. belo texto.

[www.meupianoemverso.wordpress.com]