domingo, 29 de junho de 2008



*Photo: Jamie Grill


Jogo dos sete mil erros


Eu erro.
E se eu erro por ser tola
erro mais porque tento muito.
Porque não desisto
não me frustro, não me condeno.
Só os grandes sabem reconhecer
a significância dos seus erros
porque não há nessa vida
do que não se possa extrair beleza.
(tento acertar a direção da retina).
Erro tanto que chego a duvidar,
mas nunca o suficiente para desistir.
Apreendo do mundo suas nuances
suas diversas facetas;
Muitas delas me divertem
(outras, confesso, nem tanto)
Erro muito por ser serelepe
bicho inquieto achando que,
se não por esse,
algum caminho, dá pé.
Quem sabe errando tanto
eu não acumule pontos tantos
que possam ser trocados
no balcão do fim dos dias
por um acerto tamanho p?
Um acerto de consolação?
Um dia eu aprendo.
Ou morro tentando.
Porque na persistência
para perseguir acertos,
há corações e CORAÇÕES.

2 comentários:

Múcio L Góes disse...

foi inevitável lembrar Leminski... eu tbm sou mestre no erro.


"nunca cometo o mesmo erro
duas vezes
já cometo duas três
quatro cinco seis
até esse erro aprender
que só o erro tem vez"


223 beijos!

Mauricio disse...

Num intindi o que falou... hahaha
Beijos
Mauzz